quinta-feira, 28 de novembro de 2013

5 coisas que Mano Menezes deve estar pensando após a conquista do Flamengo na Copa do Brasil

No dia 19 de setembro deste ano, menos de três meses atrás, Mano Menezes pedia demissão do Flamengo. Na ocasião, o treinador deixou até mesmo a diretoria surpresa, que não teria sido avisada do ato. A ação veio após uma vitória exatamente do Atlético-PR, naquele mesmo Maracanã em que Jaime de Almeida tornou-se campeão da Copa do Brasil.

E agora? O que estaria pensando Mano Menezes neste momento de enorme felicidade da nação rubro-negra? Veja as hipóteses e crie sua própria conclusão:

1 - Que m**** que eu fui fazer, heim?

2 - Preciso ter umas aulas com o Jayme...

3 - Por que aqueles caras não jogavam desse jeito comigo?

4 - Dane-se, não iam me pagar mesmo...

5 - Deixo a seleção brasileira, e ela vence a Copa das Confederações... Saio do Flamengo, e ele conquista a Copa do Brasil... Já sei como fazer o Corinthians campeão em 2014! Tite, está pronto para voltar?

Jaime de Almeida: o homem que deu o tricampeonato da Copa do Brasil ao Flamengo

O ano já parecia perdido ao Flamengo. A zona de rebaixamento rondava o clube, que parecia não dar certo com treinador nenhum que surgia. Nem mesmo Mano Menezes, que vinha da seleção brasileira, aguentou e pediu demissão. Mas quando tudo parecia desmoronar, eis que surge o homem certo para aquela fase: Jaime de Almeida.

Até então auxiliar, Jaime virou interino. Os resultados, então, foram surgindo e ele já era o treinador efetivo. Acabou com as vaidades do elenco, ganhando simplesmente a confiança do grupo e tornou-se muito querido pela humildade e a forma com que lidava com as pessoas. Hoje, Jaime é campeão da Copa do Brasil.

É bem verdade que o Atlético-PR, apesar da campanha positiva no Brasileirão, demonstrou fragilidade técnica nos dois jogos decisivos da Copa. O Flamengo sobrou e venceu, merecidamente.

Parabéns, nação rubro-negra! Agora, para a diretoria, chega o momento de botar os pés no chão e montar uma equipe competitiva para a Libertadores do próximo ano. Que o título não mascare um elenco que ainda é modesto e está abaixo dos demais rivais sul-americanos que disputarão a competição.

Aos torcedores: comemorem! Vocês merecem!

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

As projeções de rebaixamento no Brasileirão 2013

O Vasco ainda não está rebaixado, mas, vai precisar ganhar os três jogos que restam. Se perder um, já estará na segunda divisão. Se vencer dois e empatar o outro, vai precisar de um milagre na combinação de resultados. Adilson não pode nem sonhar com o esquema com três zagueiros contra o Cruzeiro e o Náutico. Caso contrário, não vai conseguir mais do que um empate. Se conseguir os resultados positivos em casa, vai para o "seja o que Deus quiser" contra o Atlético-PR.

O Fluminense ainda não se livrou do rebaixamento, embora tenha respirado. Se perder um jogo, vai precisar vencer os outros dois. Pode vencer uma e empatar as outras duas, entretanto. Dorival não pode deixar o time se acomodar contra o Santos. Uma derrota vai aumentar a pressão.

A Ponte Preta já foi pro saco.

A tabela do Coritiba é uma das mais difíceis da parte baixa. Tenho minhas dúvidas se o Tcheco vai ser capaz de evitar o rebaixamento. Precisa de duas vitórias.

O Criciúma emplacou uma boa sequência e vem crescendo, mas, ainda é um dos mais cotados pra descer. Precisa de uma vitória e dois empates e também tem adversários complicados na reta final.

O Bahia tem uma sequência cheia de confrontos diretos, o que beneficia Vasco e Coritiba, que já estão na zona de rebaixamento. Tem condição de escapar. Só precisar fazer o dever de casa. Cristóvão não pode respirar.

A Portuguesa está quase lá. Basta uma vitória contra a frágil Ponte Preta e missão cumprida. Ainda pode conseguir o feito contra o Bahia também.

É verdade, Flamengo e Internacional estão no meio da tabela sem riscos, por enquanto. Agora, se algum deles perder todos os três jogos que faltam, aí amigo, um vai protagonizar o rebaixamento mais improvável da história. Chances mínimas.

Vamos aguardar os próximos capítulos...

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Cruzeiro acaba com o Brasileirão em plena quarta-feira

Todo mundo sonha com uma final dentro de casa, em pleno domingo, com o estádio lotado e todos os holofotes centrados ao jogo. O Campeonato Brasileiro deste ano, entretanto, acabou de uma forma completamente distinta. O mineiro Cruzeiro levou o título com quatro rodadas de antecedência, na Bahia, em uma quarta-feira e, ainda por cima, no intervalo do jogo!

Tudo aconteceu porque o duelo entre Criciúma e Atlético-PR havia começado mais cedo. O Furacão, que precisava vencer para seguir vivo, perdeu, ajudando o clube celeste.

Debates sobre os pontos corridos a parte, o Cruzeiro é total merecedor do título. O clube montou um elenco de primeiro linha, buscando atletas tanto no futebol nacional quanto no exterior. Éverton Ribeiro e Ricardo Goulart, que estavam esquecidos em clubes menores, acabaram brilhando e virando peças fundamentais. Além disso, não é qualquer time que tem o luxo de possuir Julio Baptista no banco. Aí ficou fácil, né, Marcelo Oliveira?

Parabéns ao Cruzeiro, que agora desponta como a maior potência do futebol brasileiro. Se mantiver o pique e a base, pode alçar voos ainda maiores em 2014.

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Fluminense: o que leva um campeão brasileiro a ser rebaixado no ano seguinte?

A derrota para o Flamengo não caiu bem para o Fluminense
Embora a campanha do Vasco no Campeonato Brasileiro seja pífia, a situação do Fluminense pode ser considerada mais vergonhosa ainda. Com o mesmo número de pontos do rival, o tricolor é o primeiro fora da zona de rebaixamento e corre sérios riscos de voltar à Série B. O fato piora quando recordamos o Campeonato Brasileiro de 2012 e vemos o nome do campeão: o próprio Flu.

Um ano depois, após todos os prêmios financeiros, os holofotes da mídia e uma disputa de Libertadores, como um clube consegue chegar em um patamar tão complicado? Influências extremas do presidente da patrocinadora no clube sempre foram frequentes, porém, desta vez, o caso acabou gerando problemas administrativos e criando dores de cabeça para a diretoria, que resvalou o sentimento na comissão técnica e afetou os jogadores.

O elenco sofreu perdas complicadas ao longo da temporada. Thiago Neves estava sem espaço e foi embora. Deco não aguentou as lesões e aposentou. Na reta final, Fred se lesionou e saiu de cena. Diego Cavalieri, quando voltou da seleção, também enfrentou momentos difíceis. Felizmente, parece já ter se recuperado.

Mas as trapalhadas que mais prejudicaram a equipe tiveram os treinadores como pivôs. Mesmo depois de tantas conquistas e de ter demonstrado grande capacidade para comandar o Flu, Abel Braga foi demitido. A diretoria não soube ter paciência e se deixou levar pelo nome de Luxemburgo, que estava no mercado. Luxa chegou e não resolveu nada. Ao contrário, acabou levando o clube para a beira do rebaixamento.

Atualmente, a situação de Luxemburgo no time é insustentável. O presidente chegou a demiti-lo na última semana, com a notícia vazando para a mídia. A situação infestou o clima nas Laranjeiras e aumentou o turbilhão da crise. Celso Barros falou mais alto e manteve o treinador, que conseguiu perder para os reservas do rival Flamengo.

Embora a tabela do Fluminense seja, em tese, menos complicada do que a do Vasco, o tricolor não pode relaxar. Além disso, tende a ter mais dificuldades em função dos problemas extra-campo. Ficar com o Luxa não dá mais. No mercado, todavia, não existem opções efetivas. E, como diz a gíria, "é isso que está 'pegando'". Para escapar sem sustos, o clube precisa, no mínimo, vencer a metade dos jogos. A partir daí, os desempenhos dos adversários vão mostrar se será preciso mais uma vitória ou um empate. É obrigação derrotar Náutico, São Paulo e Atlético-MG, todos no Maracanã. Corinthians e Santos, fora, podem ser mais difíceis, mas, é possível obter resultados positivos para não depender da última rodada, em Salvador, contra o Bahia, que também pode estar lutando para não cair.

Que os resultados venham e o Fluminense possa escapar da degola. Não faz bem para o Brasileirão da Série A ter a ausência de quem venceu o torneio duas vezes nos últimos três anos. Ou o clube quer "pagar" a Série B, como gozam os torcedores rivais nas redes sociais?