sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Saiba quem foi o craque da rodada no Brasileirão

Pode até parecer "dejavu", mas ele voltou. Depois de ter brilhado no final de semana, o artilheiro voltou a balançar as redes, desta vez, comandando o São Paulo em uma goleada histórica contra o Botafogo.

O craque da 20ª rodada do Campeonato Brasileiro é:

Luis Fabigol
 Luis Fabiano, atacante do São Paulo



quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Nossos atletas paralímpicos têm a garra que falta aos olímpicos

Divulgação
Quem dera que a alegria de nadar do brilhante atleta paralímpico Daniel Dias contagiasse também os nossos nadadores olímpicos. E se a garra dos jogadores de goalball iluminassem nossa equipe liderada por Mano Menezes? Logo no primeiro dia de competições, o Brasil conquistou três medalhas, uma de cada cor, nas Paralimpíadas de Londres.

Se existe alguma limitação física aos guerreiros brasileiros, sobra força de vontade e técnica nos mais diversos esportes. Individualmente ou coletivamente, eles se superar a cada competição, dando orgulho ao país.

De olho nos Jogos Olímpicos de 2016, o Comitê Olímpico Brasileiro deveria convidar o Comitê Paralímpico Brasileiro para fazer palestras aos atletas. Quem sabe eles não passam um pouco da energia positiva que tanto falta...

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Batman: quando o cavaleiro das trevas ressurge com muito brilhantismo

Não é qualquer filme que consegue prender a atenção do espectador por quase três horas ininterruptas. "Batman - O Cavaleiro das Trevas ressurge" consegue não só deixar o público focado nas telonas por todo esse tempo, mas também brinda o fã com um roteiro muito bem encaixado, ótimas atuações e efeitos especiais que nada deixam a desejar.

Para conseguir tal feito, nada como montar um equipe talentosa. O diretor, produtor e roteirista Christopher Nolan teve muita habilidade ao reunir tantas estrelas. Na obra, Bruce Wayne (Christian Bale) volta a vestir a roupa de Batman para deter o vilão Bane (Tom Hardy). Para isso, ele conta com a ajuda do mordomo Alfred (Michael Caine), do comissário Gary Oldman (Jim Gordon) e de Lucius Fox (Morgan Freeman). Marion Cotillard, a Miranda Tate, também é peça vital na ficção.

Vale ressaltar, ainda, a excelente ligação na introdução de famosos personagens do HQ. Antes mesmo de se tornar Mulher-Gato, a atriz Anne Hathaway empresta o talento para a personagem Selina Kyle. Robin (Joseph Gordon-Levitt), ainda John Blake no filme, também coloca aquele gostinho de "quero que chegue logo o próximo longa da série" nos fãs que saem do cinema bastante satisfeitos com o que viram.

Se alguém desistiu de ir ao cinema pelo pensamento de que a saga já havia ficado no passado, há tempo de mudar de ideia. Batman não só ainda está mais atual do que nunca, como pode trazer revelações inesperadas. Vale a pena prestigiar o homem-morcego.

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Saiba quem foi o craque da rodada no Brasileirão

O craque também tem estrela. Mesmo sem ritmo de jogo, em função de uma lesão que o deixou cinco rodadas fora dos gramados, ele brilhou. Graças aos dois gols, o artilheiro decidiu o clássico contra o Corinthians, marcando dois gols.

O craque da 19ª rodada do Campeonato Brasileiro é:

Luis Fabiano, atacante do São Paulo  (foto: Site SPFC)

domingo, 26 de agosto de 2012

O triste desempenho de Marcelo de Lima Henrique em Vasco x Fluminense

Divulgação
Sábado, dia de clássico no Engenhão. Apesar de um estádio vazio, tínhamos tudo para estar comentando, neste momento, o desempenho de Vasco e Fluminense, os melhores cariocas no Brasileirão, brigando ponto a ponto para subir na classificação e encostar no Atlético-MG. Mas, infelizmente, a situação é outra. Mais uma vez, Marcelo de Lima Henrique, o juiz, foi o foco do encontro.

Logo de cara, a situação já começa errada. O mesmo árbitro havia apitado o último clássico do Vasco, na rodada passada, contra o Flamengo. Em uma afronta ao bom senso e à transparência, a CBF coloca o mesmo senhor para o sorteio, que acaba vencendo. Em país nenhum do mundo, garanto que nem mesmo nas menores federações, um mesmo cidadão apita duas partidas seguidas de um time, principalmente quando são duelos importantes e de grande rivalidade.

Como era de se esperar, o confronto foi extremamente tumultuado. Faltas e pênaltis ignorados, cartões fora de hora e uma maneira ultrapassada de conduzir a partida. Esse foi o retrato do juiz. Vale ressaltar, ainda, que não houve parcialidade, uma vez que as duas equipes foram prejudicadas com lances decisivos. É um caso claro de falta de preparo.

O presidente da CBF, José Maria Marin, disse que está insatisfeito com a arbitragem no Nacional. Tanto que mudou o presidente da comissão, tirando Sérgio Correa - que escalou Marcelo de Lima Henrique nos dois jogos consecutivos - e colocando Aristeu Tavares, carioca. Vamos torcer para que o novo comandante dê um jeito nisso e não deixe a bagunça piorar. E que Marcelo passe pela mesma "reciclagem" do bandeirinha que prejudicou o Corinthians.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Convocação de Mano Menezes é uma piada

Mano Menezes
Divulgação
Pelo visto, Romário tinha razão. Para quem não sabe, o baixinho descascou o técnico Mano Menezes, proferindo inclusive palavrões, acusações e xingamentos. É lógico que o modo que tudo aconteceu foi errado, inclusive quando a pessoa é um deputado federal. Por outro lado, mesmo com exageros, o ex-atacante está certo em vários pontos.

A convocação da seleção brasileira nesta quinta-feira (23) deixou todos perplexos. A inclusão do goleiro Cássio, do Corinthians, levanta dúvidas quanto aos fatores "clubismo" e "interesses externos". Com todo respeito ao jogador, que vem crescendo na posição, o camisa 1 está bem longe da fila para o gol. Até pouco tempo, o atleta era reserva do mediano Júlio César, no Corinthians. Não tem o menor critério.

Vale ressaltar, ainda, a escolha por Arouca. A crítica vinha pedindo a convocação do volante durante séculos. Justamente quando o jogador passa por uma fase ruim, com atuações abaixo da média, ele recebe como "prêmio" a amarelinha. Não tem o menor cabimento. Isso sem falar de Jonas, Hulk e companhia.

Que o presidente José Maria Marin escute o Romário e arrume um técnico mais bem preparado para representar o Brasil na Copa do Mundo de 2014. Com Mano Menezes, vamos sofrer.

Por que esperar o Corinthians sair prejudicado para tomar providências na arbitragem?

Divulgação
Não é de hoje que a arbitragem brasileira vem sendo muito criticada. É fato que os juízes estão cada vez menos preparados, com alguns defendendo interesses políticos e de federações. Finalmente, após "séculos", Sérgio Correa foi demitido da Comissão de Arbitragem. O que chama a atenção, entretanto, é que o fato só aconteceu após o Corinthians, atual campeão brasileiro, ter sido prejudicado.

Vale deixar claro que as mudanças positivas são sempre bem-vindas. Não conheço o trabalho como gestor do novo presidente, Aristeu Tavares, para julgar se a troca foi boa ou se foi apenas seis por meia dúzia. A alteração, por outro lado, já deveria ter acontecido após as péssimas atuações do último campeonato, na gestão passada, ou ainda logo quando Marin assumiu a CBF. O fato de ocorrer depois de um lance contra o clube de São Paulo, "bem relacionado" com os dirigentes "paulistas" da Confederação, gera debates.

Torcedor carioca: quantas vezes o Botafogo foi prejudicado por erros primários da arbitragem? O que foi feito? Nada. Torcedor do Vasco, quantos pontos o clube perdeu nos últimos campeonato por decisões equivocadas dos juízes? O que foi feito? Nada. Esses dois clubes são apenas exemplos do que aconteceu com tantos outros.

Esperamos que, independentemente do nome do presidente da Comissão de Arbitragem, muita coisa mude no comando das partidas no Brasil.

Em tempo: os gênios que fazem as escalas dos árbitros colocaram Marcelo de Lima Henrique para apitar dois clássicos seguidos do Vasco. Ele já havia apitado o duelo contra o Flamengo e, uma semana depois, vai apitar a partida do time com o Fluminense. É...

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Vasco completa 114 anos com muita história para contar

Torcedor ou não, todos devem reconhecer que o Vasco da Gama é um dos mais importantes clubes do país. Com uma história honrada e repleta de sucessos, o clube contou com a ajuda dos próprios sócios para construir o primeiro grande estádio do Rio de Janeiro, São Januário, além de ter sido peça vital na luta contra o preconceito e o racismo no futebol. Insucessos e desvios no meio do caminho, infelizmente, acontecem, entretanto, com o amor dos atletas e dos fãs, ele se moverá sempre  como um gigante. Afinal de contas, "enquanto houver um coração infantil, o Vasco será imortal".

Nesta terça-feira (21), o clube completou 114 anos.


Parabéns, Vasco!

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Saiba quem foi o craque da rodada no Brasileirão

Ele marcou dois gols, sendo um deles em posição clara de impedimento. Mesmo assim, soube se colocar bem dentro da área, criando grandes oportunidades para o Santos e decidindo o clássico contra o Corinthians.

O craque da 18ª rodada do Campeonato Brasileiro é:


André Souza, atacante do Santos

domingo, 19 de agosto de 2012

Vasco vai descendo a ladeira do Campeonato Brasileiro

Divulgação
Depois de ficar uma série de jogos sem perder e outra dezena de horas sem levar gols, o Vasco vai encontrando o pior momento no Campeonato Brasileiro. Apesar de ainda ser o terceiro colocado e estar no G-4, a equipe vai descendo a ladeira, com o jejum de vitórias que já chegou a três jogos.

A derrota para o Atlético Mineiro foi aceitável. No entanto, na rodada seguinte, o time teve uma das piores atuações do ano ao ficar no empate com o Coritiba, em casa. Neste domingo (19), a derrota para o Flamengo por 1 a 0 fez o sinal de alertar piscar desesperadamente na Colina.

Tudo bem que o jogo foi decidido na falha do goleiro Fernando Prass, ao largar uma bola fácil nos pés do bom centro-avante Vagner Love. Por outro lado, a equipe de São Januário se mostrou mais uma vez inoperante no ataque e frágil na defesa. Até mesmo o poderoso Dedé vem em uma fase delicada, com erros primários. Lá na frente, Éder Luis e Alecsandro seguem nulos, mais atrapalhando do que ajudando. Nas laterais, William Matheus e Auremir até tentam, mas não possuem qualidades, ainda, para ocupar a titularidade do Vasco.

Vale ressaltar os constantes erros do técnico Cristóvão Borges que, além de escalar equivocadamente, realiza alterações pouco eficientes no decorrer dos jogos. Hoje não foi diferente. Mesmo perdendo o clássico, ele lança um volante para o gramado, em vez de tentar uma solução mais ofensiva. Sem atacantes ou meias, uma boa opção naquele momento seria a entrada de Jonas no lugar de Auremir.

Na próxima rodada, o Vasco enfrenta outra pedreira: o Fluminense. Com um time bem montado e um técnico top de linha, o tricolor tem tudo para lutar pelo título nacional, situação bem mais distante para o Gigante da Colina.

É preciso muito cuidado e modificações no modo de jogar para que o clube não desça ainda mais a ladeira, saindo da zona de classificação para a Libertadores. Enquanto isso, o Flamengo vai subindo, beneficiado pelo bom comando tático de Dorival Júnior.

sábado, 18 de agosto de 2012

As metas do Brasil no futebol para as Olimpíadas do Rio em 2016


Seguimos em frente com as análises rumo aos Jogos Olímpicos de 2016. Nesta parte dois, são abordadas modalidades pouco tradicionais, além do poderoso futebol.

Canoagem - Infelizmente, não temos perspectivas de medalhas em um futuro próximo. Para o Rio de Janeiro, temos que oferecer condições mínimas para que nossos atletas possam garantir vagas em finais.

Ciclismo - O esporte passa por problemas de estrutura no Brasil, principalmente no Rio de Janeiro, sede das próximas Olimpíadas. A falta de um local adequado para treinamento e o impasse envolvendo o velódromo de Jacarepaguá deixam as coisas ainda mais complicadas. Não podemos esperar muito para os próximos quatro anos.

Esgrima - Hoje, a maioria dos praticantes da modalidade é militar. O Ministério da Defesa poderia fazer uma parceria com o do Esporte, tentando investir no treinamento dentro dos próprios quartéis. Uma medalha de bronze seria um sonho.

Futebol - Temos a obrigação de conquistar o ouro. Em Londres, o feminino deu vexame e o masculino decepcionou. Aquela velha lenha de que falta investimento para as meninas é um fato, entretanto, mesmo sem ele fizemos bonito nos últimos dez anos. Desta vez, foi bem diferente. O técnico Jorge Barcellos pecou na escalação durante o torneio de 2012. Falta um treinador do tipo "Renê Simões". Já para os homens, não há receita. É escolher um técnico decente e convocar os melhores jogadores. Pena que, mesmo sendo o país do futebol, nunca conseguimos fazer o feijão com arroz e ganhar o título. A meta para 2016 são duas medalhas de ouro.

Leia também: 

As metas do Brasil para as Olimpíadas do Rio em 2016 - parte 1 

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Vasco perde dois pontos no Brasileirão para Dedé jogar dez minutos na seleção

Divulgação/Vasco
É claro que a ausência de Dedé não foi o único motivo do empate do Vasco em 2 a 2 com o Coritiba, na noite desta quinta-feira (16), no Campeonato Brasileiro. A equipe jogou muito mal, esteve desatenta e perdida em campo. Por outro lado, o fator contribuiu, e muito, uma vez que a zaga estava completamente desorganizada, falhando nos dois gols do Coxa.

O que mais chama a atenção nisso tudo é o técnico da Seleção Brasileira, Mano Menezes. Em um amistoso inoportuno e fora de hora, que só serviu para salvar o emprego dele, o principal atleta do Vasco é convocado. Dedé, então, sai do Brasil para jogar na Suécia - ou melhor, para ficar no banco. Ele só entrou no final da partida, mal tocando na bola e, assim mesmo, por causa da lesão de David Luiz. Ora, por que o convocou então? Por que não deixar os pupilos do Mano, Juan e Bruno Uvini, ali quietinhos para qualquer emergência?

Vale ressaltar, ainda, que Neymar também esteve em campo. A diferença é que ele atuou quase os 90 minutos. O Santos foi esperto, alugou um jatinho e, o craque esteve em campo, na mesma data e no mesmo horário do jogo do Vasco, marcando um golaço para o Santos.

Agora, o time de São Januário terá pela frente dois clássicos: Flamengo e Fluminense. A situação no Brasileirão ficou mais difícil. Quando não é o próprio técnico que atrapalha, Critóvão Borges, é o da seleção, Mano Menezes.

De volta ao jogo, Felipe, apesar do gol, esteve apagado. William Barbio, volto a repetir, não tem a menor condição de ser titular. Os laterais, a mesma coisa. São boas opções para o banco de reservas, e ponto. Por outro lado, Carlos Alberto entrou muito bem. Foi dele a jogada do gol de empate, além de uma boa movimentação. A equipe precisa ligar o sinal de alerta.

Triste realidade.


quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Brasil x Suécia: o amistoso que não serviu para nada - ou quase nada

Mowa Press
O que esperar de um jogo amistoso marcado para uma data quatro dias após a final dos Jogos Olímpicos? Com vitória ou com derrota, era óbvio que a partida não renderia o esperado e não serviria para muita coisa.

No caso da justificativa de que o Estádio Rassunda será demolido, isso não tem muito a ver. O fim do local acontece apenas no final do ano, uma vez que clubes ainda jogarão por lá nesta temporada.

Para não dizer que não teve nenhum utilidade, o jogo teve alguma para o técnico Mano Menezes. Com a vitória por 3 a 0, fica difícil mandá-lo embora, mesmo com o desempenho do time muito aquém das expectativas nas últimas competições.

Vale ressaltar, ainda, que a Suécia vive uma fase tão complicada quanto a nossa. A equipe foi eliminada ainda na primeira fase da Eurocopa e vai enfrentar uma pedreira nas Eliminatórias para a Copa. Em um grupo que apenas a primeira colocada garante vaga para 2014, ela terá pela frente a poderosa Alemanha. Com isso, a realidade é um luta pela repescagem. No amistoso, ainda jogou sem o craque, Ibrahimovic, lesionado.

Um parêntese também para Alexandre Pato, que entrou muito bem, no final da partida. Foi peça fundamental nos dois últimos gols brasileiros.

Em síntese, está complicada a missão brasileira. Perdemos muito tempo com partidas equivocadas, escalações erradas e jogadores sem capacidade de vestir a camisa canarinho. Teremos menos de dois anos para fazer o que teria que ser feito em quatro.

Como diz um famoso locutor da televisão brasileira, "haja coração amigo"...

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

As metas do Brasil para as Olimpíadas do Rio em 2016 - parte 1

Esquiva Falcão superou as expectativas - Divulgação/COB
As Olimpíadas de Londres chegaram ao fim e, mais uma vez, o Brasil deixou a desejar. É inaceitável ver um país do tamanho do nosso, com um clima tão favorável à prática de esportes, terminar as competições com apenas três medalhas de ouro, atrás de nações muito menos tradicionais, mais pobres e com menos estrutura, como o Cazaquistão. Até mesmo a Etiópia, um dos mais pobres do planeta, conquistou as mesmas três medalhas de ouro.

"O blog Rox" elaborou uma meta de cada esporte, com foco nos Jogos Olímpicos de 2016. Segue a primeira parte:

Atletismo - Ao menos três medalhas, sendo uma de ouro. Deveríamos ter uma pista de atletismo em cada grande praça, incentivando a prática da modalidade no país. As provas de velocidade são complicadas, uma vez que os jamaicanos são praticamente imbatíveis. Nas de longa distância, como a maratona, estamos crescendo, mesmo sabendo que os quenianos impõem uma grande superioridade. Perdemos prestígio nos saltos - em distância, triplo e com vara -, é preciso recuperá-lo.

Badminton - Não temos a menor tradição e dificilmente teremos uma equipe para brigar. Devemos nos preparar para apenas cumprir tabela e não passar vexame.

Basquete - Evoluímos lentamente no masculino, já que chegamos às quartas de final. Nas últimas três edições antes de Londres, havíamos ficado fora dos Jogos. Mesmo considerando positivo o trabalho do argentino Rubén Magnano, a personalidade do treinador atrapalhou o país no mata-mata. A cisma de não deixar a televisão filmar o pedido de tempo é uma prática individualista e infantil. Além disso, não ter colocado Anderson Varejão nos últimos quartos contra a Argentina facilitou a nossa derrota. De olho em 2016, o melhor seria ter outro técnico, com um plano tático parecido, porém, mais aberto ao diálogo. No feminino, regredimos. A campanha em Londres foi um total vexame. Devemos traçar o que queremos: se é contar com a Iziane ou não. Convocá-la frequentemente e, na reta final, cortá-la, só atrapalha. Precisamos de um resgate. Uma medalha, em qualquer gênero e de qualquer cor, já ficaria de bom tamanho.

Boxe - Sem dúvida foi a maior surpresa das Olimpíadas de 2012. Agora, não tem jeito. O sonho é o ouro. Um primeiro lugar, além de mais três medalhas, é o objetivo. Devemos aproveitar o bom momento de Esquiva Falcão e difundir o esporte pelos adolescentes.

Continua nos próximos capítulos.

domingo, 12 de agosto de 2012

Bernardinho perde o ouro mais fácil da história dos Jogos Olímpicos

Getty Images
Nunca foi tão decepcionante ver uma medalha de ouro se transformar em prata em poucos minutos. O título dos Jogos Olímpicos estava nas mãos da seleção brasileira masculina de vôlei. Uma substituição errada, entretanto, colocou tudo a perder, deixando o povo brasileiro de boca aberta, sem entender nada.

Tudo aconteceu no ponto 22. Faltavam apenas três para o Brasil selar a vitória em cima de uma equipe que já agonizava e estava totalmente destruída. Foi quando Bernardinho colocou em quadra o veterano Giba, como uma forma de "homenageá-lo". Acontece que Olimpíadas não foram feitas para brincar, mas sim para competir de forma séria. Resultado? A Rússia, que não é boba e sabe jogar, reagiu e venceu não só o set como também o jogo, fazendo inacreditáveis 3 sets a 2, depois de estar perdendo por 2 a 0.

Bernardinho é um vencedor e conquistou torneios incríveis ao longo da carreira. Somos muito gratos a ele. Mas, verdade seja dita, hoje ele errou.

E o Brasil se encaminha para deixar Londres com o mesmo número de ouros que em Pequim: apenas três.

sábado, 11 de agosto de 2012

O incrível poder de recuperação da seleção brasileira feminina de vôlei

Getty Images
Se olharmos o histórico dessa seleção brasileira feminina de vôlei do técnico José Roberto Guimarães podemos apontá-la sempre como franca favorita. Mas desta vez foi diferente. Problemas sérios de relacionamento no elenco, cortes controversos, como o de Mari, e uma péssima primeira fase. Felizmente, esse grupo soube o real significado da palavra recuperação e conquistou a medalha de ouro.

As críticas não eram exageradas. A seleção esteve muito próxima de voltar para casa ainda na chave de grupos. Graças aos Estados Unidos - feliz coincidência -, avançamos e pudemos encarar a Rússia, partida fundamental para a conquista.

Foi exatamente o duelo contra as russas que fez tudo mudar. Os nervos se exaltaram de tal forma que vimos uma das viradas mais impressionantes da história do esporte. Resistimos bravamente a uma sequência de match points e vencemos.

Vale ressaltar, ainda, o desempenho fora de série de duas atletas: Sheila e Fernanda Garay. Ambas eram desconhecidas do grande público e até mesmo desacreditadas por boa parte dos especialistas. Mas foram exatamente elas que decidiram, com pontos geniais. Uma menção honrosa e uma grande lembrança também para Dani Lins que, de terceira reserva, ganhou a vaga no decorrer da competição para colaborar de uma forma espetacular.

Parabéns, meninas do Brasil! O Brasil continua sendo o país do vôlei! É ouro!

Em tempo: graças a essa medalha, passamos momentaneamente a poderosa Etiópia no quadro de medalhas...

Os erros que levaram Mano Menezes e o Brasil a perder as Olimpíadas

Getty Images
Perdemos mais um ouro olímpico. E a novidade? A medalha de prata ficou bem acima das expectativas, uma vez que o cenário jamais foi dos melhores. Mano Menezes estar no banco de reservas comandando a equipe, em vez de Ney Franco, foi o maior deles.

Campeão do Pré-Olímpico na categoria Sub-20, o ex-coordenador das divisões de base da CBF tinha o grupo na mão. A base estava montada e pronta para receber três importantes jogadores com mais de 23 anos, além de outros com idades entre 20 e 23. Mas não. Mano caiu de paraquedas.

Pois bem, uma vez como técnico, ele teve a oportunidade de fazer uma série de amistosos preparatórios. No gol, colocou dois goleiros: Jéfferson e Rafael Cabral. Mesmo com Neto e Gabriel na lista, sequer testou um dos dois. Na hora da lista final, deixou Jefferson fora. Em seguida, Rafael cortado por lesão. E agora? É muito fácil criticar os dois garotos que defenderam o nosso gol nas Olimpíadas, mas os dois são bons goleiros. Ambos fizeram as primeiras partidas com a camisa amarelinha exatamente nos Jogos Olímpicos. É óbvio que faltaria experiência e que teríamos problemas na posição. Põe na conta do Mano.

Vale ressaltar a opção por outros atletas. Na zaga, Juan, que mal joga na Inter de Milão, e Bruno Uvini, que nunca joga no São Paulo. O mesmo clube paulista, aliás, tem outro jogador como titular absoluta e, acreditem, ele tem idade olímpica. Por que não chamar Rafael Tolói? Só o Mano para explicar.

Além disso tudo, o técnico queimou uma vaga da cota acima de 23 anos com o Hulk. Na reta final da competição, aonde ele estava? No banco de reservas. Chamou um atleta que não era Sub-23 para deixar no banco de reservas.

Parabéns, CBF! Parabéns, Mano Menezes! A medalha de prata, com sabor de lata, é para vocês!

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Olimpíadas: Brasil, o país do bronze

Adriana Araújo: um bronze que valeu a pena / COB
As Olimpíadas ainda não chegaram ao fim, porém, o Brasil já acumula sete medalhas de bronze. O fato, em contraste com as solitárias duas de ouro e as tristes duas de prata, chama a atenção da nação.

A três dias do fim das competições, é bem possível que surjam mais terceiros lugares. Vamos torcer pelo bom desempenho dos nossos atletas do boxe, porém, sabemos que são situações difíceis e que existe uma grande chance dos dois ficarem com o bronze.

Sabemos que existem situações aonde o bronze é bem-vindo. No próprio boxe, por exemplo, foi um grande avanço, já que não conquistávamos nada desde a "era Servílio". Em outra, já fica um gostinho de "podia mais", como no vôlei de praia, aonde Juliana e Larissa ficaram pelo caminho. Vale ressaltar, também, a prata de Alison e Emanuel. É difícil aceitar que uma nação privilegiada, com tantas praias, e ainda com tradição no vôlei possa sair sem título na modalidade.

Parabéns para Sarah Menezes e Arthur Zanetti! Que o futebol e o vôlei também possam nos brindar com mais duas douradas. Quem sabe, pelo menos passando o fiasco de Pequim, podemos nos sentir menos derrotados por terminar atrás do Cazaquistão.

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Loco Abreu falta respeito com o Figueirense ao beijar o escudo do Botafogo

Loco Abreu
Divulgação
Não foi apenas o Figueirense que saiu perdendo, na noite desta quarta-feira (8). Além do clube ter sido derrotado pelo Flamengo, em casa, um conhecido personagem também manchou um capítulo da carreira: Loco Abreu.

Provocado pela torcida rubro-negra, ao cobrar um escanteio, o uruguaio levantou a camisa do clube e exibiu uma outra blusa que sempre coloca por baixo. Nela, Loco exibe escudos de antigos times, entre eles o do Botafogo, rival do Flamengo. Eis que o centro-avante, em uma total falta de educação com a equipe atual, pega o escudo da equipe carioca e beija, em plena partida.

Loco Abreu pode ser um bom jogador - apesar de estar em uma péssima fase -, um personagem ou qualquer outra coisa. Agora, beijar o escudo de outro clube, enquanto está vestindo a camisa do Figueirense, em plena partida do Campeonato Brasileiro, é justificativa para demissão por justa causa.

Quando a gente pensava que já havia visto de tudo...

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Futebol do Brasil nunca esteve tão perto do ouro olímpico

Getty Images
Não é a primeira final olímpica do Brasil no futebol dos Jogos Olímpicos. Já conquistamos a medalha de prata algumas vezes, tanto com os homens quanto com as mulheres. Entretanto, mesmo com um futebol de pouca criatividade e um comando técnico contestável, a medalha de ouro nunca esteve tão próxima, em função do baixo nível de nossos rivais.

Atual bicampeã da modalidade, a Argentina sequer se classificou para a disputa, em um formato de eliminatória sem nenhum nexo. Se o torneio é Sub-23, por que a seletiva é Sub-20? É preciso haver uma decisão. O campeonato vai passar a ter idade limite de 20 anos ou será criada uma classificatória apropriada? Do jeito que está, não pode ficar.

Além da ausência de nossos "hermanos", as seleções africanas que costumam atrapalhar as sul-americanas ficaram restritas a equipes de tradições menores, como Senegal e Egito. As fortes Nigéria e Camarões e a ascendente Costa do Marfim não entraram. E as européias? Fora a Grã-Bretanha, que caiu nas quartas de finais, Itália, França, Holanda e companhia perderam a vaga para a Bielorrússia. A poderosa Espanha, caiu na primeira fase, assim como a sul-americana sensação uruguaia.

Em síntese, o duelo com o México não será fácil, porém, somos superiores e temos a obrigação de trazer o ouro. Vamos torcer para que o senhor Mano Menezes não atrapalhe na escalação, inventando Alex Sandro no time titular, junto com o também lateral-esquerdo Marcelo. Hulk, convocado na cota dos acima de 23 anos, passou a amargar o banco de reservas, uma prova de que a escolha não foi certa. A opção é lançar Lucas.

Não importa o treinador ou os jogadores. O Brasil é que vai estar em campo e vamos lutar pelo ouro. E ele está próximo.

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

E a medalha na ginástica artística veio de um homem: Arthur Zanetti

Divulgação
Há tempos que o Brasil vem sofrendo decepções na ginástica artística. Aos poucos, o país vinha conquistando títulos mundiais, no entanto, quando chegavam as Olimpíadas, nossos atletas "amarelavam". Foi assim com Daniele Hypólito, Daiane dos Santos e Diego Hypólito.

As meninas sempre dominaram a modalidade por aqui. Daniele foi a primeira a despontar, mas, Daiane dos Santos, a que mais no esperançou com o atrativo "Brasileirinho" no solo. Nada feito. Tudo perdido em escorregões. O mesmo deslize, aliás, teve Diego, também no solo, tanto em Pequim quanto em Londres.

Agora, a realidade ganhou outro nome. Nem Daiane, muito menos os irmãos Hypólito. Arthur Zanetti é a fera. Mesmo com um grande adversário, o chinês Yibing Chen, ele fez uma execução perfeita e garantiu o ouro.

E Zanetti, que antes era famoso apenas por um vídeo íntimo que havia vazado na Internet, pôde ganhar reconhecimento pelo que faz de melhor: a ginástica. Será que agora os homens vão dominar a modalidade?

domingo, 5 de agosto de 2012

O fenômeno da velocidade chamado Usain Bolt

Getty Images
Seria Usain Bolt mais rápido do que um guepardo? Essa pergunta eu fiz metaforicamente há quatro anos, nas Olimpíadas de Pequim, quando o fenômeno jamaicano apareceu pela primeira vez ao mundo em Jogos Olímpicos. Agora em 2012, a fera do atletismo volta a fazer história, ao vencer com autoridade a prova dos 100m rasos em Londres.

Tudo bem que desta vez houve mais emoção. Bolt largou "mal" - se é que podemos falar assim. Sem problemas para um mito, que fez uma prova de recuperação e, em poucos segundos, assumiu a ponta e cruzou a linha de chegada em primeiro lugar, batendo o recorde olímpico.

Vale ressaltar, ainda, a merecida prata do compatriota Yohan Blake. A jovem revelação, também em arrancada na reta final, deixou para trás os experientes Tyson Gay e Asafa Powell, que criou vantagem no início, mas perdeu força e acabou abandonando a prova aos 50m.

Até quando vai durar a impressionante hegemonia de Bolt? Para o bem do atletismo e do esporte, que a boa fase continue por muito tempo!

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Estados Unidos de 2012: 'dream team' sim! Por que não?

Getty Images
Dizem os mais conservadores que só existiu um "dream team" no basquete: o norte-americano de 1992. Por outro lado, fica difícil não chamar a seleção de basquete dos Estados Unidos atual com o mesmo apelido. Em partida fora de série, a equipe esmagou a Nigéria, nesta quinta-feira (2), por 156 a 73, quebrando quase todos os recordes possíveis - incluindo os de Jordan e cia.

Longe de mim querer falar uma vírgula daquele elenco mágico de antigamente. Michael Jordan, Magic Johnson, Larry Bird, Karl Malone, Scottie Pippen e sua trupe eram mestres, os melhores de todos os tempos, individualmente. Por outro lado, Kobe Bryant, Carmelo Anthony, LeBron James, Kevin Durant e amigos são também os melhores da geração, com um conjunto fantástico, logo, por que não chamá-los de "dream team" também?

Lembro de uma cena do bom filme "Anjos da Vida", em que o treinador coloca o aluno na piscina e eles começam a bater todos os recordes de natação. Foi praticamente isso no duelo contra a coitada da Nigéria, que acabou pagando o pato.

Não tenho medo de afirmar: podem entregar o ouro. Duvido muito que Espanha, Argentina ou qualquer outra seleção faça frente a esse elenco. A disputa vai ser apenas pela prata e pelo bronze. O lugar mais alto do pódio já tem dono: Estados Unidos da América.

E quantos recordes mais vão ser quebrados até o fim do torneio? O público de Londres agradece!

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Olimpíadas 2012: O que está acontecendo com o Brasil no judô?

Divulgação/COB
Parecia ser um ano maravilhoso para o Brasil no judô. Logo na estreia dos Jogos Olímpicos de Londres, nossos dois atletas conquistaram duas medalhas: um ouro com Sarah Menezes e um bronze com Felipe Kitadai. Mas, após cinco dias de provas, ficou por aí.

Pouco cotados, Leandro Cunha e Érika Miranda ficaram nas oitavas de final, assim como Bruno Mendonça. Candidata ao menos ao bronze, Rafaela Silva bobeou e foi desqualificada por um golpe irregular.

Até que surgiu o dia de Leandro Guilheiro, grande esperança para o país. Nada. Péssima luta do brasileiro nas quartas de final e na repescagem. Adeus, medalha! Mariana Silva, nem se fala, caiu logo.

Foi quando surgiu, nesta quarta-feira (1º), Tiago Camilo. Experiente e vitorioso, o atleta esteve irreconhecível na semifinal e também na disputa pelo bronze, sendo facilmente derrotado pelos oponentes. Maria Portela já havia caído antes.

Restam agora apenas três chances para o país. O objetivo da Confederação Brasileira de Judô era sair de Londres com quatro medalhas. Para que isso aconteça, Luciano Corrêa, Mayra Aguiar e Rafael Silva precisam lutar como Sarah e Kitadai, e não como Camilo e Guilheiro. Força, Brasil!