domingo, 31 de outubro de 2010

Eleições sem a menor graça

Sempre fui um viciado em eleições. Meu interesse era tanto que, quando pequeno, meus colegas de escola me colocaram o apelido de "Presidente", tamanha a veemência com que eu debatia política com os professores. Pois é, mas o tempo passou e o meu interesse pelo pleito foi diminuindo a cada ano.

Tudo bem que ainda gosto de acompanhar os debates e analisar o perfil de cada candidato, não importando o cargo, porém, nos últimos tempos, parece que o eleitor brasileiro vem pensando de uma forma completamente diferente da minha. Além disso, nossos governantes abusam de práticas anti-éticas e medidas corruptivas que só crescem.

Em um País com o tamanho e a riqueza natural como o nosso, temos pontencial para sair do grupo de subdesenvolvidos, porém, a cada Governo que assume, nossa situação fica mais acomodada possível.

Pobre Brasil...

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

A voz do polvo foi calada

Mesmo com um certo atraso, eu não poderia deixar passar em branco a morte do caro Polvo Paul, o segundo maior acertador dos jogos da Copa do Mundo.

Tive a honra de poder entrevistá-lo antes da final do Mundial, quando ele fugiu do aquário, na Alemanha, e foi parar nas areias de Copacabana para assistir o jogo entre Espanha e Holanda.

Segue a minha homenagem a você, caro colega. Descanse em Paz!

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

O cavalo que foi sambar no Carnaval e acabou morrendo

Era madrugada de domingo para segunda-feira, em um local muito distante. A equipe de reportagem carnavalesca da Super Rádio Tupi estava na quadra da escola de samba Inocentes de Belford Roxo, em um espaço que fica longe, inclusive, do próprio município de Belford Roxo. Tudo estava ocorrendo dentro da normalidade até que, no meio do barulho, as caixas de som e o batucar da bateria são interrompidas. Momentos de tensão. O que será que vai acontecer? Vão anunciar o samba campeão?

Eis que o locutor avisa:

"Atenção! Por favor, quem veio de carroça para a quadra?"

Silêncio. Ele insiste:

"Por favor, quem veio de carroça para a quadra? Isso é sério! A carroça que estava estacionada aqui em frente caiu em cima do cavalo e ele está quase morrendo!", declara o homem, apavorado.

Pobre cavalo. Queria ir para o samba, curtir um Carnaval em plena segunda-feira, e acabou falecendo.

Meus sentimentos à família...

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Safra de sambas-enredo não me agrada muito

Não está ruim, porém, bom também não está! É com essa frase praticamente infantil e primária que resumo a safra de sambas-enredo do Grupo Especial, cujas finais terminaram nessa semana. Algumas agremiações renovaram canções em alto nível. A Vila Isabel, por exemplo, deixou pra trás uma obra prima de Martinho da Vila (2010), para colocar uma grande música de André Diniz (2011).

Já a Mangueira, decepcionou. O samba escolhido pelo presidente é confuso, difícil de ser cantado pela comunidade, com uma melodia que deixa brechas para descontos dos jurados. Nem se compara ao belo hino do último Carnaval.

Agora, resta aguardar para ouvir como ficaram as gravações oficiais da Liesa.

domingo, 17 de outubro de 2010

'Modéstia parte, amigo, sou da Vila'

E a Unidos de Vila Isabel, mais uma vez, tem um sambaço para desfilar no Grupo Especial do Rio. Se por um lado a escola não teve Martinho da Vila na disputa, vencedor no ano passado, agora ela encontrou de volta o professor André Diniz. A letra é simples, porém, forte. Além disso, a melodia soa bem aos ouvidos.

Vale ressaltar, ainda, a garra da garotada da escola de samba mirim "Herdeiros da Vila". Os jovens defenderam com muita disposição o hino, já que o intérprete do grupo, Wantuir, estava na final da Grande Rio, que aconteceu no mesmo dia. Valeu o aprendizado.

E a Vila vem aí: com nova rainha de bateria - Sabrina Sato -, e um belo samba para 2011!

OBS: Perdeu a final da Vila? Acompanhe aqui tudo o que aconteceu por lá.

*Foto: Néstor J. Beremblum - O Repórter

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Perdeu a final de samba no Salgueiro?

Não tem problema! Acompanhe a cobertura completa que foi ao ar na rádio aqui:

FINAL DE SAMBA NO SALGUEIRO

Mangueira e Salgueiro: duas escolas populares completamente distintas

O feriadão de Nossa Senhora marcou eventos importantes para o Carnaval do Rio. Foi nessa época que começaram as finais de samba-enredo no Grupo Especial. Na sexta-feira (08), a São Clemente definiu o hino oficial, porém, o que eu quero ressaltar nesse espaço são duas contradições: Mangueira e Salgueiro.

Extremamente populares, as escolas possuem torcedores em todos os cantos do Brasil. No entanto, enquanto o Salgueiro continua inovando, fazendo votos de uma escola "diferente", a Mangueira tropeça em falhas que soam, de certa forma, como deselegantes e desnecessárias.

Durante a final na Estação Primeira, no sábado (09), nossa equipe passou um verdadeiro "perrengue" na quadra. Entre vários contratempos, em função da ausência de mesas, cadeiras, e até tomadas na área de imprensa, nem mesmo as conexões de internet 3G funcionavam por lá. Mas isso é o de menos, acontece. O que quero manifestar o meu desagrado diz respeito à blindagem com que tratam o presidente Ivo Meirelles. Na ocasião, três seguranças e dois assessores de imprensa cercavam o dirigente, a fim de impedir que nossa equipe se aproximasse dele para gravar. As assessorias, aliás, que deveriam ser pagas pela escola para AUXILIAR a imprensa, e não BLOQUEAR, como a da verde e rosa já vem fazendo constantemente.

Uma pena que a escola, num todo, não copie os modos louváveis do trio de cantores e dos carnavalescos, extremamente simpáticos, dispostos e bem-humorados.

Por outro lado, no Salgueiro, tudo foi completamente diferente. A assessoria, essa sim, assessorou com muita maestria todos os jornalistas presentes. Além disso, da presidente ao mais humilde componente, passando por diretores e carnavalescos, todos super atenciosos.

Querida Estação Primeira,

Você não não precisa disso. É preciso humildade.

E bola pra frente...

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Maratona de samba começa hoje

O tempo não voa, ele se teletransporta! Um ano já se passou e as finais de samba-enredo do Grupo Especial estão de volta. A maratona começa hoje, na São Clemente, e vai até a Imperatriz Leopoldinense, no dia 18.

Gostaria de lembrar aos amigos que gostam de Carnaval que a Rádio Tupi vai fazer uma cobertura completa das decisões. Entraremos na programação, em 96,5 FM e 1280 AM, com flashs ao vivo das quadras, durante 20 minutos a cada hora, a partir de meia-noite. Também colocaremos conteúdo exclusivo na internet, através do www.tupi.am.

No sábado é a vez da popular Estação Primeira de Mangueira, enquanto o Salgueiro escolhe o hino oficial na segunda-feira.

Não perca!

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Tá pensando que votar é fácil?

Domingo, 3 de outubro. Dia de exercer o direito de cidadão e votar - ou pelo menos de tentar. Ao contrário do pleito municipal, há dois anos, dessa vez só fui cumprir o meu papel no meio da tarde. Até aí tudo bem, mas o drama começa depois.

Quando chego no clube em que fica a minha zona eleitoral, vejo um movimento normal. Na hora pensei: "Opa, que beleza! Deve estar tranquilo!" Só devia mesmo, porque não estava. No momento em que entrei no ginásio que concentra quatro seções, incluindo a minha, avisto filas misturadas, confusas e enormes. Pacientemente, fico quietinho esperando a minha vez.

O tempo passa, o tempo voa, e a fila vai andando lentamente. Vinte minutos mais tarde, encontro um vizinho que é mesário da seção ao lado. "Deu mole. Veio votar tarde! De manhã estava vazio!", declarou meu incentivador, que de fato não sabia que trabalhei até as 8h da manhã, permanecendo acordado por quase 24 horas, muitas delas dedicadas ao serviço.

Mas se por um lado a situação parecia terrível, por outro, não teria como piorar. Demora, fila andando devagar... Certo? Errado.

Algum tempo mais tarde, a minha vez finalmente fica próxima. Uma esperança começa a surgir! Vale ressaltar que nisso, o relógio já marcava 15h, e, menos de uma hora depois, eu precisaria sair de casa para trabalhar, afinal de contas, jornalista é um dos que mais trabalham no dia das eleições.

Mas o que é bom dura pouco. Com cerca de dez pessoas na minha frente, uma moça loira entra na cabine de votação. Até aí tudo bem. Até que ela começa a apertar os botões. De repente, eis que surge uma movimentação estranha próxima da urna eletrônica. A mulher sai, chama o fiscal, que chama o secretário, que chama o presidente de mesa. Eles começavam a mexer nos fios, cutucar a máquina, dar batidinhas de leve no aparelho e... nada! Sim, a moderna urna eletrônica havia quebrado.

Nessa etapa do dia, já surgia uma confusão generalizada na fila. Um homem mal-humorado xingava o mesário, enquanto a mulher resmungava com o namorado que a acompanhava de forma impaciente. E eu? Como estava? Felizmente, existe uma coisa chamada celular, e outra chamada Twitter no celular. Fiquei compartilhando os momentos de tensão com os amigos internautas.

Os ponteiros do relógio continuam andando e, cadê o fiscal designado pelo TRE para aquela zona - literalmente? Só tinha um no clube inteiro, que é imenso e, o maior colégio eleitoral do bairro. Eis que chega o fiscal, que não consegue resolver o problema e avisa: "Precisarei acionar o juiz de plantão do TRE para que ele nomeie um técnico do TRE para vir resolver o problema. A fila entrou em colapso. O namorado da moça ameaça ir embora. A mulher reage com fúria. Paralelamente, o homem resmungão joga a toalha, solta um palavrão e vai embora. E eu? Começo a rir, deixando, provavelmente, as outras pessoas intrigadas.

Depois de mais um longo tempo, um mesário da seção em frente resolve se aproximar. Ele estava intrigado com o fato de a nossa fila estar tão grande que, chegava a se misturar com a dele. O rapaz resolve tomar uma atitude e tocar na urna eletrônica. CONSERTADA! "Alguém só deu uma topada", diagnosticou o heroi do dia. Em seguida, tudo voltou ao normal e a fila andou.

E o nosso heroi? Foi ovacionado? Nada, ainda levou um baita de um esporro do fiscal do TRE, que chegou mais tarde.

E assim termina a saga de um votante... Espere! Acaba nada...

Depois que assinei o livro e vou aguardar a minha autorização para apertar os botões, a presidente de mesa lê a minha identidade, olha pra minha cara e pergunta: "Você mesmo é o Ralph"? Não!!!! Sou um impostor que roubei a identidade dele, fiz uma cirurgia plástica para ficar igual a ele, aguardei cinco horas na fila, mas não sou o Ralph!

E o voto? Os candidatos eleitos? As zebras? As decepções e as alegrias? Tudo virou assunto secundário, porque, nesse longo e tenebroso inverno, é difícil exercer a cidadania. Ou você pensava que votar era fácil?

domingo, 3 de outubro de 2010

Previsões do Rox para as eleições 2010

Nunca deixei tudo para tão em cima da hora, mas, vamos aos meus palpites:

- Teremos segundo turno para a Presidência da República entre Dilma e Serra, mas por pouco que isso vai acontecer;

- Cabral se elege tranquilamente no primeiro turno, sem problemas;

- Cesar Maia e Lindberg entram para o Senado. Crivella acaba ficando fora;

- Tiririca vai ser o deputado federal mais votado do país, com mais de 1 milhão de votos.

Votem com consciência pessoal!

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Se depender de debate, teremos segundo turno

Era a última chance de José Serra. E parece que deu certo. No debate dessa quinta-feira (30), na TV Globo, Dilma Rousseff gaguejou, ficou nitidamente nervosa e acabou se complicando ao responder uma pergunta simples de Plínio de Arruda Sampaio. A indagação do candidato pequeno pode ter sido decisiva na eleição presidencial.

O momento-chave aconteceu quando o representante do PSOL falava que as doações ao partido dele estavam todas na internet e, nos concorrentes, isso não existia. Em vez de simplesmente ignorar o problema ou afirmar que tudo está sendo cuidado de acordo com as normas do TSE, a petista afirmou: "Nós registramos nossas doações oficiais no TSE." Oficiais? Existe caixa-dois então? Sob risos da plateia, a candidata tentou consertar o erro, mas, acabou piorando, ao pronunciar palavras de forma confusa.

Mais contido do que nos últimos debates, Plínio foi menos enérgico nas críticas aos veículos de Comunicação que, teoricamente, não dão espaço aos candidatos pequenos. Por outro lado, voltou a aproveitar a situação para fazer propaganda do PSOL, pedindo, inclusive, votos para candidatos à deputado federal.

Já Marina se mostrou firme e com propostas concretas. Deve crescer alguns pontos percentuais nas últimas pesquisas de opinião, porém, não será o suficiente para chegar ao segundo turno.

Por fim, José Serra manteve a estratégia moderada. Permaneceu calmo e equilibrado durante todo o programa, conseguindo sair bem das perguntas capciosas de Marina e Plínio. As alfinetadas na princial adversária aconteceram apenas de forma leve.

Balanço final: Dilma cai alguns pontos percentuais, Serra cresce moderadamente e Marina aumenta de forma mais significativa. O resultado final, no entanto, deve ser um segundo turno entre Dilma e Serra.